Terça-Feira, 19 de Março de 2013

Página Inicial>Mundo

Washington e Casa Branca são alvo de vídeo da Coreia do Norte

Canal de propaganda do país no YouTube tem servido para o regime publicar vídeos apelando à guerra

Publicada: 19/03/2013 - 15h38m|Fonte: Publico.pt|Versão para impressão|

  • Washington e Casa Branca são alvo de vídeo da Coreia do Norte
No canal da Coreia do Norte no YouTube surgiu mais um vigoroso vídeo de propaganda: entre muitas imagens de soldados norte-coreanos e várias máquinas de guerra, vê-se a Casa Branca, em Washington, no centro do alvo de uma arma e a cúpula do Capitólio a ser destruída por uma explosão.

Já em Fevereiro um outro vídeo mostrava outra cidade norte-americana a ser destruída – nessa altura, a escolhida era Nova Iorque. No início deste mês, com Pyongyang a anunciar que rompia o acordo de armistício com a Coreia do Sul que pôs fim à guerra entre as duas Coreias, sem que alguma vez tenha sido assinada a paz, o isolado regime comunista disponibilizou no YouTube um outro vídeo marcial, em que calhava a vez a Seul: via-se a capital sul-coreana transformada "num mar de chamas".

O vídeo em que a Casa Branca e o Capitólio são alvos foi colocado online pela Stimme Korea – a Voz da Coreia, o serviço de rádio internacional da Coreia do Norte, que emite em coreano, chinês, alemão (de onde parece ser originário este vídeo), espanhol, inglês, francês, russo, japonês e árabe, segundo a enciclopédia online Wikipédia. Surge após o secretário de Estado da Defesa norte-americano, Chuck Haigel, ter anunciado, na sexta-feira, que os EUA vão reforçar as suas defesas antimíssil, colocando 14 novos interceptores na Costa Oeste, em resposta às “provocações irresponsáveis e imprudentes” da Coreia do Norte, que na semana passada ameaçou lançar um ataque nuclear preventivo contra os EUA.





A China avisou Washington de que esta resposta às provocações de Pyongyang serviria apenas para intensificar o antagonismo, e aconselhou os EUA a agir de forma prudente, relatou a agência Reuters. "A questão do sistema antimísseis tem uma relação directa com o equilíbrio e estabilidade regional e global. Tem também a ver com com os interesses mútuos estratégicos", disse o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hong Lei. A abordagem diplomática é mais aconselhável, sublinhou Hong Lei.

O subsecretário de Estado norte-americano para o Terrorismo e Informação Financeira, David Coehn, vai deslocar-se em breve a Pequim para discutir a aplicação de novas sanções económicas contra a Coreia do Norte, que se recusa a abandonar o desenvolvimento de armas nucleares e tecnologia militar para as utilizar.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook