Quinta-Feira, 10 de Outubro de 2013

Página Inicial>Mundo

Vamos surpreender o mundo”, diz Síria sobre ameaças de invasão

Ministro das Relações Exteriores afirma que intervenção ocidental apenas “serviria aos interesses de Israel e Al Qaeda”

Publicada: 28/08/2013 - 21h44m|Fonte: Opera Mundi|Versão para impressão|

  • EUA já movimenta arsenal militar próximo à Síria
  • EUA já movimenta arsenal militar próximo à Síria
As grandes potências voltaram suas atenções para a Síria. EUA e Reino Unido já admitem uma intervenção militar no país após denúncias de uso de armas químicas em Damasco. A resposta do governo sírio, no entanto, veio de forma contundente nesta terça-feira (27/08). “Temos duas opções: ou nos rendemos ou nos defendemos com os meios que temos à disposição. A segunda alternativa é a melhor”, afirmou em nota oficial o Ministério das Relações Exteriores.

O chanceler sírio, Walid Muallem, confirmou à mídia local que vai defender a todo custo o país de uma intervenção ocidental. “Atacar a Síria não é uma tarefa menos difícil. Temos defesas que vão surpreender o mundo”, disse.
O governo da Síria nega a utilização de armas químicas e desafia a comunidade internacional a apresentar “qualquer prova” que comprove o uso de gás sarin por parte do Exército. Uma ação militar internacional no país, dizem autoridades locais, “apenas serviria aos interesses de Israel e da Al Qaeda”.

“O pretexto das armas químicas é falso e infundado. Desafio a que apresentem qualquer prova”, afirmou Walid al Muallem em entrevista coletiva. Além disso, o chanceler informou que a equipe de inspetores da ONU enviado à Síria adiou para esta quarta-feira (28) sua nova visita à zona do suposto ataque químico na periferia de Damasco em função de desavenças entre os grupos opositores, acusados de explodir bombas e atirar contra um grupo de inspetores.

Segundo informações da Agência Efe, as Forças Armadas do Reino Unido preparam um “plano de contingência” para uma hipotética ação militar na Síria. Um porta-voz do governo britânico afirmou que o país pode adotar uma decisão sobre o conflito antes dos resultados da missão da ONU serem divulgados.
Já os EUA disseram que exigirá que o regime sírio preste contas pelo que classificou de “inegável” uso de armas químicas contra a população civil. Washington, no entanto, não confirma se já decidiu por uma intervenção militar.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook