Sábado, 17 de Agosto de 2013

Página Inicial>Artigos

Um desembarque militar do Brasil na Palestina?

O passo mais ambicioso talvez tenha sido assumir o comando militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), em 2004...

Publicada: 03/01/2011 - 11h14m|Fonte: João Paulo Charleaux - Opera Mundi|Versão para impressão|

  • Um desembarque militar do Brasil na Palestina?
Para quem acha – como o presidente Luiz Inácio Lula da Silva – que o destino do Brasil é ser um líder global, capaz de influenciar tanto a política nuclear iraniana quanto o conflito secular entre israelenses e palestinos, uma boa notícia: o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, também acha. E mais: em visita a Brasília, onde desembarcou esta semana para assistir à posse da presidente Dilma Rousseff, Abbas disse que os brasileiros têm não apenas um papel político e diplomático a desempenhar nas intrincadas negociações para a criação de um futuro Estado palestino. Segundo ele, o país poderia também contribuir enviando tropas para uma missão de paz da ONU na região.

A sugestão é música para os ouvidos de um governo que apostou alto na tese segundo a qual “você é do tamanho dos problemas que escolhe enfrentar”. Desde o início do primeiro mandato de Lula na presidência, em 2003, o Itamaraty envolveu-se em crises internacionais que, sabidamente, representam grandes chances de protagonismo e visibilidade, por um lado, e de rusgas, revezes e fracassos, de outro.

O passo mais ambicioso talvez tenha sido assumir o comando militar da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), em 2004, o maior desafio das forças armadas desde a Guerra do Paraguai, em 1864-1870, considerando que o envio de tropas para a Itália na Segunda Guerra Mundial foi mais modesto do ponto de vista logístico.

A experiência no Haiti cacifou as forças armadas tanto para engajar-se em crises internas, como as que sazonalmente sacodem o Rio de Janeiro, quanto em impasses internacionais, como foi o do Haiti e é este que envolve a ANP de Abbas.

Algodão entre cristais

O problema – que parece simples quando dito – é que os territórios palestinos não são o Haiti, nem as favelas do Rio. Envolver-se militarmente no conflito entre israelenses e palestinos significaria virtualmente disparar e receber disparos de atores armados que, além de suas próprias causas, defendem idéias e ações respaldadas por potências como os EUA – leais a Israel – ou por grupos armados com raio de ação global alinhados à causa palestina.

Curiosamente, a primeira missão de paz que contou com efetivos brasileiros foi a do Canal de Suez, no Egito, num conflito que também envolvia tropas israelenses, nos anos 1960. De lá para cá, foram quase 20 experiências com capacetes azuis brasileiros - em alguns casos, com envio de tropas; em outros, como na Bósnia (1992-1995) apenas com observadores militares.

O convite para que o Brasil ponha seus militares como algodão entre cristais num contexto tão explosivo como o que envolve israelenses e palestinos é a cereja no bolo de uma política externa audaciosa, que buscou incessantemente se envolver em grandes questões internacionais. O problema é saber se a porta aberta por Abbas representa a saída para um dos conflitos armados mais complexos e duradouros do mundo, ou apenas mais uma curva no labirinto de erros do Oriente Médio.



Artigo publicada originalmente emOpera Mundi

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook