Segunda-Feira, 29 de Julho de 2013

Página Inicial>Artigos

Superinteressante: “Superesperta”, mas “supererrada”

A Superinteressante deste mês, com o tema “Ciência Espírita”, mostra-nos que continua um desastre ao tratar de assuntos que afrontam o paradigma materialista.

Publicada: 11/10/2011 - 10h21m|Fonte: Observatório da Imprensa|Versão para impressão|

  • Superinteressante: “Superesperta”, mas “supererrada”
Por José Edmar Arantes Ribeiro em 11/10/2011 na edição 663 (Observatório da Imprensa)

A Superinteressante deste mês (outubro/2011), que exibe em sua capa o tema “Ciência Espírita”, mostra-nos que, em se tratando de assuntos que afrontam o paradigma materialista, continua um desastre. Ao vermos a revista à mostra em uma banca, por um momento pensamos que encontraríamos ali uma espécie de retratação à lastimável reportagem principal de seu número de abril de 2010, “Uma Investigação – Chico Xavier”, cuja crítica tivemos oportunidade de publicar aqui, neste Observatório (veja). Mas enganamo-nos... O diretor de redação da revista, Sérgio Gwercman, o mesmo de um ano e meio atrás, talvez por ser um crente no materialismo, mais uma vez deixou passar uma reportagem relacionada ao transcendente eivada de erros, além de contraditória, ainda que tenha feito questão de estampá-la na capa, mais uma estratégia de marketing habilmente utilizada pela revista, talvez para atrair novamente os leitores que se aborreceram com a reportagem sobre Chico Xavier.

Poderiam alegar alguns que a reportagem pelo menos informa sobre pesquisas acadêmicas realizadas a respeito de cirurgias e terapias mediúnicas, experiências de quase morte e reencarnação, de forma que, dada a excentricidade de tais assuntos, deveríamos eximi-la de críticas. Discordo. Diante de temática tão séria, à divulgação de matérias com dados errados e com a costumeira tendenciosidade e falta de imparcialidade da Superinteressante, seria de longe preferível o silêncio.

“Mecanismos e eficácia das curas espirituais”

Comecemos do começo. Na capa da revista, na chamada da matéria principal (“Ciência Espírita”, em letras garrafais) encontramos o seguinte enunciado: “Eles são cientistas. E eles acreditam em espíritos e reencarnação. Agora, estão usando o laboratório para provar que tudo isso não é apenas questão de fé. E dizem que estão conseguindo.” Após a leitura da matéria, que se estende da pág. 56 à pág. 65 da revista, concluímos, entretanto, que houve erro (proposital ou não) ali. Ora, ao se dizer que os cientistas em questão estavam usando o laboratório em suas pesquisas, transmite-se a ideia de que tudo estaria sendo feito com o auxílio de aparelhagens etc. Mas em nenhuma das pesquisas apresentadas (de Frederico Leão, de Alexander Almeida, de Sam Parnia, de Peter Fenwick e de Erlendur Haraldsson) é utilizado qualquer instrumento laboratorial! Tais pesquisas são baseadas principalmente em entrevistas e questionários. Assim, um leitor que tenha comprado a revista esperando a apresentação de trabalhos laboratoriais sobre espíritos e reencarnação terá sido simplesmente ludibriado...

Agora passemos à matéria em si. Logo na primeira página (pág. 56), um erro crasso. À ilustração de Peter Fenwick, neurologista do King´s College (Londres), segue-se a descrição: “Pioneiro nas pesquisas de vida após a morte”. Desconhecem os autores da reportagem (Pablo Nogueira e Carol Castro) que desde mais de 130 anos antes do início das pesquisas de Fenwick (1985), a partir de trabalhos como os do químico Robert Hare (1781-1858), da Universidade da Pensilvânia, e do juiz John W. Edmonds (1816-1874), da Corte Suprema de Nova York, o assunto já vem sendo estudado no mundo todo? Incrível, mas parece que sim...

À pág. 58, referindo-se aos autores do artigo “Cirurgia espiritual: uma investigação”, os responsáveis pela reportagem escrevem: “(...) O que chamava mesmo a atenção era a proposta dos pesquisadores. Eles defendiam a necessidade de mais investigação sobre o `mundo espiritual´ (...).” Mas não é isto o que lemos no artigo. Ali, o que é defendido é a necessidade de um melhor conhecimento dos “mecanismos e eficácia das curas espirituais”, o que é diferente.

Quatro experiências de quase morte

Na mesma página, em referência ao departamento de Psiquiatria da USP, está dito (destaque nosso): “Lá foi fundado em 1999 o Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade (ProSer), que se dedica justamente a examinar os efeitos da religião na saúde das pessoas, como no caso das cirurgias mediúnicas.” Errado! O estudo de cirurgias mediúnicas não é um exemplo de exame dos efeitos da religião na saúde das pessoas. Pode até haver convergências aí, mas em princípio são coisas bem distintas.

Na segunda coluna da pág. 60, após quatro depoimentos de pessoas que vivenciaram experiências de quase morte, inclusive a de um homem que estivera no estado de coma profundo e que, uma semana depois, em fase de recuperação, voltou ao hospital e reconheceu uma das enfermeiras presentes, lembrando-se de que “fora ela quem tinha retirado os seus dentes e os colocado em um carrinho, com garrafas em cima e uma gaveta embaixo”, descrevendo ainda com detalhes a sala e as pessoas que participaram da operação, lemos o seguinte: “Seja como for, isso são só relatos. Acredita quem quer.” O questionamento da idoneidade daqueles que vivenciam ou presenciam fenômenos anômalos sempre foi recurso comum utilizado pelos negativistas. Uma pena. Será mesmo razoável duvidar da honestidade de outrem apenas porque relate experiências que se desacredite?...

Na mesma página, no início da seção “Outro lado”, em referência às 63 ressuscitações pesquisadas por Parnia e Fenwick, lemos: “Para os céticos, o resultado não poderia ser outro, mesmo que houvesse uma EQM”. Mas houve EQM! No artigo dos pesquisadores (“A qualitative and quantitative study of the incidence, features and aetiology of near death experiences in cardiac arrest survivors”, Resuscitation 48: 149-156, 2001), encontram-se relatos de quatro experiências de quase morte. O que não ocorreu foram EFCs (experiências fora do corpo).

Problemas envolvendo as legendas

Na pág. 61, toda coberta por uma ilustração de Sam Parnia, lê-se como parte da legenda (destaque nosso): “Coordena a maior pesquisa da história sobre a existência de espíritos”. Bem, apesar dos autores da matéria se esforçarem por aproximar semanticamente a ideia de uma consciência independente do corpo físico com a ideia de espírito, de alma, não nos parece plenamente lícita esta aproximação. Em termos mais exatos, Sam Parnia coordena a maior pesquisa da história sobre a distinção entre mente e cérebro através do estudo de EQMs.

À pág. 62, lemos: “Alguns pacientes contam detalhes específicos, como o caso da mulher que viu o médico se atrapalhar com o carrinho cirúrgico. Susan, porém, acredita que nesses casos a audição estaria ainda em funcionamento –já que é o último sentido a ser perdido –, e a mente seria capaz de criar aquela imagem visual.” Mas quem é Susan? Por mais que se procure na matéria referências anteriores, não se encontra. Que descuido, hein?

Foi curioso também ler, na mesma página, que “outros três estudos feitos no século 21 questionaram a ideia de total `desligamento´ do cérebro” (o destaque é nosso). Além de não ter sido feita nenhuma citação anterior a estudos a este respeito, não foram fornecidas referências sobre os três estudos citados e, de quebra, ficamos com a impressão de que vivemos em século outro que não o 21...

Há que se notar, ainda, nesta mesma página, que o nome do pesquisador que fora ilustrado saiu errado: trata-se de Alexander Almeida, não Alexandre Almeida. (Das quatro ilustrações até então, já é o terceiro problema envolvendo as legendas...)

Reais dificuldades de pesquisa sobre reencarnação

Na pág. 63, um erro grave de informação: foi dito que o “I Simpósio Internacional Explorando as Fronteiras da Relação Mente e Cérebro” ocorreu em Juiz de Fora, MG, quando na realidade ele aconteceu em São Paulo, SP...

Analisemos agora os parágrafos finais da matéria (segunda coluna da pág. 65), os mais problemáticos.

Dizem os autores: “Desnecessário dizer que as pesquisas com reencarnação são severamente criticadas pela academia.” Ora, isto simplesmente não faz sentido, uma vez que todos os pesquisadores citados na matéria fazem parte da academia! Agora, se tais pesquisas são criticadas por outros segmentos dela e, mais, se são severamente criticadas, como dito, seria necessário, sim, dizê-lo, e de preferência citar os envolvidos. Por que não?... Curiosamente, isto não foi feito...

Em seguida, apontam dois “empecilhos” das pesquisas com crianças que relatam experiências de outra vida: tudo não passar de fraudes elaboradas entre as famílias envolvidas e, desconsiderando isso, o fato de que é comum os pesquisadores só terem acesso aos casos quando os pais da criança já encontraram a suposta família da outra vida dela, complicando a checagem das informações. Até aí, tudo bem. Porém, os redatores acrescentam: “Mais: por um lado, os informantes tendem a `esquecer´ as afirmações da criança que não coincidem com a vida da pessoa que acreditam que ela foi. Por outro, colocam na boca dela informações que só foram obtidas depois, quando as duas famílias já estavam em contato.” Ora, com base em que afirmam isso?... Colocações deste tipo exigem descrição clara dos recursos utilizados para embasá-las. Como nada foi dito a respeito, não podemos tomar tomá-las como reais dificuldades das pesquisas sobre reencarnação.

“Uma revista dessas é confiável?”

Fechando a matéria, os autores arrematam (destaques nossos): “Com tantas evidências contra, é difícil não acreditar que os pesquisadores de reencarnações, EQMs e afins se movam mais pela fé do que pela curiosidade científica. Mesmo assim, continua sendo uma forma de ciência, já que a busca é por resultados concretos. Se um dia eles vão chegar a esses resultados? Quem viver verá. E quem morrer também.” Aqui, enumeraremos os problemas:

1- Só foram apresentadas duas dificuldades das pesquisas com crianças que dizem lembrar-se de vidas passadas (vide parágrafo anterior), e isso não endossa de forma alguma a afirmação de que os pesquisadores de reencarnações seriam movidos mais pela fé do que pela curiosidade científica.Dificuldades há em todos os campos de pesquisa.

2- Não bastasse o juízo completamente distorcido sobre pesquisadores de reencarnações, os responsáveis pela matéria tentaram aproveitar a deixa para colocar (sem qualquer argumento!) também os pesquisadores de “EQM´s e afins” na classe de simples crédulos...

3- Por fim, vale destacar que o trecho que destacamos em itálico contradiz o próprio comentário do título da matéria (pág. 57, grifo nosso): “Espíritos existem? E reencarnação? Para alguns cientistas, sim. Pesquisadores sérios, do mundo todo, Brasil incluído, que buscam provas sobre a existência da alma. E eles já conseguiram resultados surpreendentes.” Que coerência é essa? Só quem viver verá resultados concretos das pesquisas sobre reencarnação, EQMs e afins (pág. 65), ou os cientistas já conseguiram resultados surpreendentes a este respeito (pág. 57)?... Será que alguma “mão estranha” mexeu na reportagem antes de publicá-la? Suspeitamos que sim. O fecho da matéria impõe um discurso completamente alheio ao que vinha sendo feito até então, e não nos parece razoável que os próprios autores tenham se contradito dessa maneira.

Há um ano e meio atrás, terminamos nossa crítica da matéria sobre Chico Xavier na Superinteressante com a seguinte pergunta: “Uma revista dessas é confiável?” Aqui, deixamos outra indagação: será preciso repetir a pergunta?...

***

[José Edmar Arantes Ribeiro é pesquisador e articulista, São Bernardo do Campo, SP]

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook