Segunda-Feira, 27 de Outubro de 2014

Página Inicial>Política & Economia

Reunião do ministro da Justiça com Tuma Júnior termina sem qualquer definição

Em uma nota divulgada no fim da tarde ontem (10), o ministério informou que Barreto recebeu da Polícia Federal (PF) os dados das investigações envolvendo Paulo

Publicada: 11/05/2010 - 12h37m|Fonte: Alex Rodrigues - Agência Brasil|Versão para impressão|

Brasília – Em reunião que durou mais de três horas, e que terminou no começo da madrugada de hoje (11), o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, e o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, conversaram sobre as denúncias das quais Tuma Júnior é alvo, segundo matérias divulgadas pela imprensa apontando sua ligação com o chinês Li Kwok Kwen, o Paulo Li, preso em setembro de 2009, acusado de contrabandear equipamentos eletrônicos de seu país. Após a reunião, ficou acertado que os dois voltarão a conversar sobre o assunto.

Em uma nota divulgada no fim da tarde ontem (10), o ministério informou que Barreto recebeu da Polícia Federal (PF) os dados das investigações envolvendo Paulo Li e o suposto esquema ilegal.

A prisão do chinês e de mais 15 pessoas ocorreu em setembro de 2009, após a PF deflagrar as operações Wei Jin (em chinês, trazer mercadoria proibida) e Linha Cruzada. Juntas, as duas operações tinham o objetivo de combater o contrabando de mercadorias e o vazamento de informações sigilosas, desarticulando uma quadrilha especializada no contrabando de celulares falsificados chineses.

De acordo com a PF, além de Paulo Li, a organização era integrada por despachantes aduaneiros, lojistas, gráficos, um ex-oficial do Exército Brasileiro e até mesmo um ex-membro do Serviço Secreto do Chile. À época, a PF acusou “um conhecido mestre de kung fu” de ser um importante membro do grupo, responsável por movimentar mais de R$ 1 milhão mensais revendendo os aparelhos que recebia da China.

Além de ter sido instrutor de Kunf Fu de Tuma Júnior, Paulo Li deu aulas na superintendência paulista da PF quando o pai do secretário, o atual senador Romeu Tuma (PTB-SP), era superintendente do órgão. Na semana passada, o jornal O Estado de S. Paulo publicou uma matéria apontando a ligação de Tuma Júnior com Li. Em uma conversa telefônica gravada pela PF, ele pergunta ao chinês se um jogo eletrônico contrabandeado estaria à venda na Avenida Paulista, em São Paulo.

Ainda segundo o jornal, a PF também teria encontrado indícios de que Tuma Júnior auxiliou Paulo Li a regularizar a situação de chineses que viviam clandestinamente em São Paulo. À Agência Brasil, contudo, a assessoria da PF se limitou a informar que o secretário não foi investigado e que suas conversas com Paulo Li só foram gravadas porque os telefonemas do chinês estavam sendo monitorados com autorização judicial.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook