Quinta-Feira, 10 de Outubro de 2013

Página Inicial>Mundo

Repórteres da EBC são presos e vendados no Egito e obrigados pelas autoridades a retornar ao Brasil

De acordo com o repórter, o taxista sugeriu que ele omitisse a informação de que era jornalista.

Publicada: 03/02/2011 - 15h12m|Fonte: Renata Giraldi - Agência Brasil|Versão para impressão|

Enviados para o Egito para a cobertura da crise política no país, o repórter Corban Costa e o repórter cinematográfico Gilvan Rocha, da TV Brasil, foram presos, vendados e tiveram passaportes e equipamentos apreendidos. Desde ontem (2) à noite até esta manhã, Corban e Gilvan ficaram presos em uma sala, sem janela nem água, com apenas duas cadeiras e uma mesa, em uma delegacia do Cairo.

'É uma sensação horrível. Não se sabe o que vai acontecer. Em um primeiro momento, achei que seríamos fuzilados porque nos colocaram de frente para um paredão, mas, graças a Deus, isso não aconteceu', afirmou Corban, que volta amanhã (4) com Gilvan para o Brasil.

Para serem liberados, os repórteres foram obrigados a assinar um depoimento em árabe, no qual, segundo a tradução do policial, ambos confirmavam a disposição de deixar imediatamente o Egito rumo ao Brasil. 'Tivemos que confiar no que ele [o policial] dizia e assinar o documento', contou Corban.

No caminho da delegacia para o aeroporto do Cairo, Corban disse ter observado a tensão nas ruas e a movimentação intensa de manifestantes e veículos militares nos principais locais da cidade. Segundo ele, todos os automóveis são parados em fiscalizações policiais e os documentos dos passageiros, revistados. Os estrangeiros são obrigados a prestar esclarecimentos. De acordo com o repórter, o taxista sugeriu que ele omitisse a informação de que era jornalista.

Há dez dias, o Egito vive momentos de tensão em decorrência de onda de protestos contra a permanência de Hosni Mubarak na presidência do país. A situação se agravou ontem, depois que manifestantes pró e contra o governo se enfrentaram nas ruas das principais cidades egípcias.

De acordo com as Nações Unidas, até agora, mais de 300 pessoas morreram nos confrontos e cerca de 3 mil ficaram feridas.

Edição: Nádia Franco

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook