Quinta-Feira, 10 de Outubro de 2013

Página Inicial>Mundo

Piñera assume governo do Chile com desafio de reconstruir o país

Ele substitui Michelle Bachelet, que deixa o Palácio de La Moneda com 84% de aprovação popular.

Publicada: 11/03/2010 - 06h58m|Fonte: Renata Giraldi - Agência Brasil|Versão para impressão|

  • A populr Bachelet deixa o cargo, apesar das críticas de seu governo sobre a sua resposta terremoto
  • A populr Bachelet deixa o cargo, apesar das críticas de seu governo sobre a sua resposta terremoto
    Foto: EPA
Santiago (Chile) – Pela primeira vez nas últimas duas décadas, um presidente de centro-direita assumirá o governo no Chile. Eleito com 51,8% dos votos, o empresário Sebastián Piñera (Alianza) toma posse hoje (11).

Ele substitui Michelle Bachelet, que deixa o Palácio de La Moneda com 84% de aprovação popular. O principal desafio de Piñera é reconstuir parte do país destruído por uma série de tremores de terra e tsunamis – o pior deles ocorreu no último dia 27.

Os desafios de Piñera, porém, vão além da reconstrução do país. Ele terá de utilizar sua experiência como empresário para administrar a maior reserva mundial de cobre - o Chile detém 40% da produção. Também deve intensificar os esforços para manter o país sem dívida externa e credor líquido, legado de sua antecessora.

Piñera venceu a eleição mais disputada nos últimos anos no Chile. O empresário obteve 51,8% dos votos contra 48,1% do candidato governista, o ex-presidente Eduardo Frei Ruiz (Concertación). Com um discurso baseado nas expressões “mudança” e “renovação” e promessa de geração de emprego, Piñera conquistou votos dos indecisos e insatisfeitos.

A equipe do presidente eleito admite, no entanto, que terá de dar continuidade aos avanços sociais implementados por Bachelet, como as conquistas de direitos previdenciários e trabalhistas. Desde sua eleição em janeiro, Piñera tem trabalhado diretamente com Bachelet.

O único momento de divergência entre Piñera e Bachelet foi logo após o terremoto do último dia 27 – que atingiu 8,8 de magnitude na escala Richter. Na ocasião, o presidente eleito considerou que o governo de sua antecessora foi lento ao determinar ações mais duras para conter a onda de violência e saques em algumas cidades. Em seguida, recuou nas críticas.

Piñera terá de administrar o orçamento de cerca de US$ 46,5 bilhões. Como no Brasil, a aplicação desses recursos deve ocorrer em acordo com o Congresso Nacional. Para evitar desgastes, ele deve manter uma relação amistosa com os parlamentares. Para analistas, a tendência é de haver dificuldades, uma vez que o resultado das eleições foi bastante apertado.

O presidente eleito demonstrou habilidade política ao firmar um acordo com a oposição para buscar alternativas para a reconstrução e ajuda às vítimas dos tremores de terra e tsunamis. Os deputados e senadores da Concertación – que é oposicionista – disseram que a trégua vai durar um mês.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook