Sábado, 17 de Agosto de 2013

Página Inicial>Política & Economia

Paraná: Requião critica Paulo Bernardo e afirma que não precisa pedir favor para ter obras do PAC

“Não é assim que se governa. O governo federal tem um planejamento para o PAC, e não preciso pedir favor especial a ministro algum."

Publicada: 02/02/2010 - 12h23m|Fonte: Agência Estadual de Notícias - PR|Versão para impressão|

  • O governador Roberto Requião durante a Escola de Govern
  • O governador Roberto Requião durante a Escola de Govern
    Foto: Julio Covello - AENotícias
O governador Roberto Requião voltou a criticar, nesta terça-feira (2), o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que sugeriu, em entrevista à Gazeta do Povo, que o Paraná estaria sendo prejudicado na distribuição de recursos do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

“Eu não sabia disso, temos projetos à beça no PAC. Mas estamos sendo discriminados, segundo Paulo Bernardo, porque o governador do Paraná não vai a Brasília se ajoelhar na frente dos ministros e pedir favores especiais”, afirmou Requião, durante a reunião semanal da Escola de Governo, realizada no auditório do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba.

“Não é assim que se governa. O governo federal tem um planejamento para o PAC, e não preciso pedir favor especial a ministro algum. Além disso, temos bancada na Câmara, temos senadores e, até domingo, pensava que tínhamos um ministro paranaense também. Mas o ministro quer o governador ajoelhado para conseguir favor em troca do quê? Eu não acredito que seja assim que o presidente Lula (Luiz Inácio Lula da Silva) pense”, argumentou o governador.

Na segunda-feira (1.º), o Governo do Paraná afirmou em matéria publicada na Agência Estadual de Notícias que não há não há atrasos nas obras do PAC no Paraná, como sugeriram Paulo Bernardo e a Gazeta do Povo. E, ainda que houvesse, a responsabilidade não seria do Estado, que cumpriu sua parte com rigor e pontualidade, e sim do Ministério do Planejamento.

A matéria da Gazeta do Povo e o ministro também não informaram quais as contrapartidas do Governo do Paraná ao PAC — que somam pelo menos R$ 560 milhões —, nem que elas estão rigorosamente em dia.

Também na segunda-feira, Requião, via Twitter (@requiaopmdb), convidou Paulo Bernardo para discutir as obras do PAC no Paraná na reunião da Escola de Governo. “Convido o (ministro) Paulo Bernardo para discutir comigo o PAC na Escola de Governo, (transmitida pela) TV aberta ao vivo”, escreveu.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook