Segunda-Feira, 01 de Julho de 2013

Página Inicial>Mundo

Justiça portuguesa dará veredito sobre caso de pedofilia em orfanato

O ex-apresentador de televisão Carlos Cruz chega ao tribunal para o julgamento do caso do orfanato Casa Pia, em Lisboa.

Publicada: 03/09/2010 - 11h57m|Versão para impressão|

  • REUTERS
  • REUTERS
Adriana Moysés
Uma corte portuguesa pronunciará um veredito para o processo de escândalo de pedofilia em um orfanato de Lisboa, a Casa Pia. Seis homens e uma mulher foram acusados de terem abusado sexualmente de 32 crianças, em um caso que se estende há quase seis anos na Justiça.


O escândalo de pedofilia da Casa Pia começou há oito anos, quando um interno da instituição pública portuguesa de ajuda a menores em dificuldade revelou pela primeira vez à imprensa a existência de violências sexuais na instituição. Essa primeira denúncia foi seguida de uma avalanche de acusações de outros internos.

Ao todo, seis homens e uma mulher respondem a acusações de 826 crimes de abuso sexual e de incitação à prostituição de 32 menores. Todos os acusados puderam aguardar o veredito do julgamento em liberdade, porque a demora na instrução do processo inviabilizou os prazos para detenções provisórias. Dos sete acusados, somente o ex-jardineiro e motorista da Casa Pia, Carlos Silvino, reconheceu os crimes. Os outros acusados, o apresentador da tevê portuguesa Carlos Cruz, um ex-diretor da Casa Pia, um ex-embaixador, um advogado, um médico e o dono de uma casa que servia para as orgias com os menores negam as acusações, segundo eles, feitas por menores frágeis e facilmente influenciáveis.

O processo, considerado o mais longo da história do Judiciário português, teve 461 audiências, em que foram ouvidos mil testemunhas e especialistas. Num livro autobiográfico publicado por um dos menores vítimas de violência sexual na Casa Pia, um jovem, que passou a usar o nome de Bernardo Teixeira, diz ter poucas esperanças em relação ao julgamento, que não poderá, segundo ele, restituir os anos perdidos.

A promotoria pediu a condenação dos sete acusados a uma pena não inferior a cinco anos de prisão, o que na prática significa prisão em regime fechado sem direito a sursis.



TAGS: PEDOFILIA - PORTUGAL

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook