Sábado, 29 de Março de 2014

Página Inicial>Brasil

Governador responsabiliza aduana norte-americana por lixo hospitalar encontrado no polo têxtil pernambucano

O governador disse que irá acionar o Ministério das Relações Exteriores para que cobre providências do governo de Barack Obama.

Publicada: 20/10/2011 - 11h10m|Fonte: Alex Rodrigues - Agência Brasil|Versão para impressão|

  • O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, atribuiu aos Estados Unidos a responsabilidade pelo lixo
  • O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, atribuiu aos Estados Unidos a responsabilidade pelo lixo
O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, atribuiu aos Estados Unidos a responsabilidade pela venda ilegal de lixo hospitalar ao Brasil. Após se reunir, com autoridades e empresários do Polo de Confecções do Agreste, onde funciona a empresa têxtil em cujos depósitos foi apreendido tecido importado irregularmente, o governador disse que irá acionar o Ministério das Relações Exteriores para que cobre providências do governo de Barack Obama.

O governador atribuiu à fiscalização aduaneira norte-americana a responsabilidade pelo material já apreendido em Pernambuco. Para Campos, os fiscais norte-americanos falharam ao permitir que a mercadoria deixasse o Porto de Charleston, na Carolina do Sul, com destino ao Brasil.

Além de dois contêineres com mais de 46 toneladas de lixo hospitalar retidos na última sexta-feira (14), no Porto de Suape, a Receita Federal, a Polícia Civil e as agências de vigilância sanitária estadual (Apevisa) e nacional (Anvisa) já interditaram uma loja e dois galpões onde encontraram toneladas de tecido com identificação de hospitais norte-americanos e manchas que podem ser de sangue. Os estabelecimentos interditados estão localizados nas cidades de Santa Cruz do Capibaribe, Toritama e em Caruaru e pertencem à empresa Na Intimidade, que funciona com o nome fantasia Império do Forro de Bolso.

A suspeita das autoridades é de que o material apreendido na loja e nos galpões seja parte da carga de seis contêineres que a mesma empresa pernambucana havia recebido antes e que não foram fiscalizados.

Campos adiantou que o governo estadual lançará nos próximos dias uma campanha publicitária nacional para minimizar o impacto da associação do nome do Polo de Confecções do Agreste ao caso e “limpar a imagem” do centro comercial. As peças serão aprovadas até a próxima terça-feira (25).

O receio do governador é de que o episódio afete as 22 mil empresas do Polo que geram 150 mil empregos.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook