Segunda-Feira, 20 de Abril de 2015

Página Inicial>Mundo

Colômbia: População é chamada a dizer ‘não’ ao terceiro mandato consecutivo de Uribe

Álvaro Uribe ainda não confirmou se realmente pretende tentar o terceiro mandato consecutivo, contudo algumas de suas recentes declarações deixaram margem...

Publicada: 19/02/2010 - 19h07m|Fonte: Natasha Pitts - Adital|Versão para impressão|

No dia 6 de março, mobilizações localizadas em várias cidades da Colômbia pretendem levar a população às ruas para dizer "não" à reeleição do atual presidente Álvaro Uribe e à perpetuação de sua política de Segurança Democrática e Estado Comunitário. Pessoas de todos os lugares do mundo estão sendo chamadas a realizar atos simbólicos de apoio à causa.
Após uma modificação na Constituição do país, Uribe conseguiu, em 2006, sua primeira reeleição. Há alguns meses, o Congresso colombiano aprovou um projeto de lei acerca da convocação de um referendo que permitiria ao presidente tentar a segunda reeleição ainda neste ano. No momento, a Justiça do país está analisando o projeto do referendo. A decisão ainda pode demorar 60 dias para ser divulgada.

Álvaro Uribe ainda não confirmou se realmente pretende tentar o terceiro mandato consecutivo, contudo algumas de suas recentes declarações deixaram implícita a aspiração. Na sexta-feira (12), Uribe afirmou em entrevista à Rádio Z que um período de oito anos é pouco tempo para recuperar a segurança de um país que em 200 anos de vida independente teve 47 anos de paz. Também foi colocada em dúvida as intenções e capacidades dos pré-candidatos de levarem adiante as políticas de segurança já iniciadas.

Atentos a esta possibilidade, movimentos sociais organizados na Colômbia, entre eles o Movimento de Vítimas de Crimes do Estado Colombiano (Movice), estão se articulando e convidando a população a fazer o mesmo para que a legislação não seja novamente ferida e com isso sejam perpetuadas políticas opressoras e de desrespeito aos direitos humanos.

Em carta de manifesto e convite, o Movice chama a sociedade colombiana a participar das iniciativas de mobilização pacífica "contra a reeleição da segurança democrática e do estado comunitário". Os pré-candidatos à presidência também são convocados a manter distância das políticas implementadas por Uribe e a se comprometerem com uma política pautada na verdade e que gere paz com justiça.

Também são relatados uma gama de motivos que explicitam porque é preciso dizer não à segunda reeleição de Álvaro Uribe. As constantes violações aos direitos humanos, a criminalização e perseguição da oposição política, o exílio, a imposição de um modelo econômico que intensifica a pobreza, os deslocamentos forçados e a destruição da biodiversidade são apenas alguns dos motivos apresentados.

Segundo análise do Movice, nos últimos oitos anos de governo de Álvaro Uribe um dos fatos mais vergonhosos foi a implantação da "Lei de Justiça e Paz", que tem como característica principal a manutenção da impunidade. "Dos 35.353 paramilitares que se desmobilizaram, só 698, ou seja um 1.98%, estão sendo processados pelos delitos cometidos e só um foi condenado, condenação que foi anulada pela Sala de Cassação Penal da Corte Suprema de Justiça".

Para provar que as políticas de Uribe também violam os direitos humanos, o Movice relembrou que desde sua fundação, em junho de 2005, seus membros já foram vítima de constantes perseguições. São contabilizados cerca de 170 casos entre assassinatos seletivos, desaparecimentos forçados, detenções e ameaças.

Outras políticas de Uribe estão relacionadas à libertação de militares envolvidos em execuções extrajudiciais; falta de credibilidade do Departamento de Segurança; entreguismo dos recursos naturais do país; aumento dos deslocamentos forçados; privatização de setores públicos; precarização do trabalho e demissõ

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook