Sábado, 17 de Agosto de 2013

Página Inicial>Artigos

Caso Erenice Guerra: O método Veja de jornalismo

A revista Veja desenvolveu ultimamente um tipo de reportagem denuncista apoiada em misteriosos vazamentos, ilações, e não em investigações

Publicada: 13/09/2010 - 14h10m|Fonte: Observatório da Imprensa|Versão para impressão|

  • Caso Erenice Guerra: O método Veja de jornalismo
Por Alberto Dines em 13/9/2010

Comentário para o programa radiofônico do OI, 13/9/2010

A revista Veja desenvolveu ultimamente um tipo de reportagem denuncista apoiada em misteriosos vazamentos, ilações, e não em investigações. Optou pelo gênero de jornalismo de cruzada (cruzading journalism), adjetivado, politizado, claramente engajado. Seus críticos sentem-se livres para reciprocar no mesmo tom, desconsiderando liminarmente o teor e a importância do que está sendo publicado.

A mais recente revelação do semanário, no último fim de semana, contém os velhos vícios e o mesmo estilo panfletário dos últimos tempos. Porém, algumas das suas revelações parecem consistentes: Israel Guerra, filho da atual ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, envolveu-se num esquema de favorecimentos em altas esferas da administração federal, especialmente nos Correios, em troca de "taxas de sucesso" (success fee), por intermédio de uma empresa de consultoria que tem o irmão como sócio.

Isto não significa que Erenice Guerra esteja implicada no esquema, embora tenha admitido que poderia ter encontrado os denunciantes-favorecidos em casa de familiares. E o fato de a ministra da Casa Civil ser amiga e ex-auxiliar da antecessora, a candidata Dilma Rousseff, não justifica sob hipótese alguma a menção do seu nome num ilícito praticado à sua revelia.

Contorcionismo editorial

Veja também errou quando avisou que possuía a gravação dos depoimentos incriminadores, mas não os disponibilizou imediatamente em seu site.

Ficou claro também o acionamento do tradicional pool da grande imprensa: a manchete da Folha de S.Paulo no domingo (12/9) com desdobramentos das denúncias originais envolvendo além dos Correios, também a ANAC, evidencia que o jornal começou a investigar o assunto pelo menos um dia antes de a revista ir para as bancas.

A manchete da primeira página da Folha no domingo é uma exibição de contorcionismo para implicar a candidata do PT – "Filho do braço direito de Dilma atua como lobista".

Estado de S.Paulo e Globo também tiveram acesso prévio às investigações de Veja, mas certamente vão intervir no decorrer da semana.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

  • Comentário

    04

  • PorWilson Langeani Filho (São Paulo - SP)15/09/2010 - 12h13m

    Falando em contorcionismo, bom artigo.

  • Comentário

    03

  • PorJoão B. (Brasília - DF)13/09/2010 - 21h04m

    Acusações assim já eram esperadas.Os factóides fabricados e bem tramados estão só começando.As piores tramas,mentiras e acusações deixam pros últimos dias de campanha.A intenção é tentar levar a decisão para o segundo turno,quando farão as mesmas armações.

  • Comentário

    02

  • PorMaria Brezensky (Niterói - RJ)13/09/2010 - 15h50m

    A Veja, O globo, O Estadão, A folha,etc, fazem o de sempre, manipulações vergonhosas. O que me surpreende e encontra-los em seu, Observatório da Imprensa, a bradar isenção jornalística.

  • Comentário

    01

  • Pormarcio (rio - RJ)13/09/2010 - 15h49m

    O escandalo parece ser medico- O braÇo direito da dilma pariu um filho!

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook