Segunda-Feira, 27 de Outubro de 2014

Página Inicial>Mundo

Bolívia aplica uma sanção a Israel por ser um "Estado Terrorista"

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou que seu governo vai introduzir a exigência de um visto para os cidadãos de Israel depois de considerar que este é um "Estado Terrorista" por seus ataques aos palestinos em Gaza.

Publicada: 31/07/2014 - 03h36m|Fonte: RT|Versão para impressão|

  • Bolívia aplica medida contra Israel por ser um
  • Bolívia aplica medida contra Israel por ser um "Estado terrorista".
    Foto: © AFP Evaristo Sa
O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou que seu governo vai introduzir a exigência de um visto para os cidadãos de Israel depois de considerar que este é um "estado terrorista" por seus ataques aos palestinos em Gaza.

Durante um evento na cidade de Cochabamba(centro), Morales afirmou que a decisão foi tomada em reunião com seus Ministros porque " Israel não respeita os princípios e propósitos da Carta das Nações Unidas e nem a Declaração Universal dos Direitos Humanos".

"Como um país, como povo, nós fizemos uma firme decisão de rescindir o acordo sobre vistos para Israel de 17 agosto de 1972, assinado sob uma ditadura na Bolívia que autorizavam os cidadãos israelenses a entrar livremente, sem a a necessidade de visto de entrada na Bolívia ", disse o presidente, citado pela Efe.

A decisão do país sul-americano coloca Israel no grupo 3 da classificação dos procedimentos para a obtenção de visto de entrada para a Bolívia, o que significa que as aplicações serão analisadas pela Direção Nacional de Imigração.

"Irmãos, passar a lista 3 significa em outras palavras que estamos declarando-a um Estado Terrorista, por tanto temos que tomar precauções para o ingresso de seus cidadãos na Bolívia", acrescentou o governante.


Em 2009, o governo Morales rompeu relações diplomáticas com Israel em solidariedade com a Palestina, em virtude dos "crimes contra a humanidade" cometidos em Gaza durante este período.

A nova ofensiva israelense contra o Hamas na Faixa de Gaza, que começou no dia 8 de julho, mataram pelo menos 1.306 palestinos deixando mais de 7.000 feridas, informou nesta quarta-feira o Ministério da Saúde em Gaza.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook