Quinta-Feira, 10 de Outubro de 2013

Página Inicial>Mundo

Atendendo ao Egito, Dilma pede reunião extraordinária do Conselho de Segurança

Para assessor especial da Presidência, membros permanentes do órgão merecem "puxão de orelha" por apatia

Publicada: 19/11/2012 - 07h42m|Fonte: Opera Mundi|Versão para impressão|

  • Atendendo ao Egito, Dilma pede reunião extraordinária do Conselho de Segurança
Atendendo ao presidente do Egito, Mohamed Mursi, a presidente Dilma Rousseff telefonou na noite deste domingo (18/11) para o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon. Ela pediu a convocação de uma sessão extraordinária no Conselho de Segurança para debater a mais recente troca de agressões entre israelenses e palestinos na Faixa de Gaza.

Ban chega ao Cairo no início da noite desta segunda-feira (19/11) e pretende se reunir imediatamente com uma comitiva de chanceleres da Liga Árabe. Mursi, que desde o início da chamada operação Pilar Defensivo, assumiu o papel de mediador do conflito, também permitiu a presença de uma delegação de diplomatas israelenses durante o encontro.

Oficiais do governo brasileiro se dizem incomodados com uma suposta “inércia” da ONU em questões relacionadas ao Oriente Médio. Em entrevista ao jornal O Globo, Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência, argumentou que o Conselho de Segurança age com maior celeridade em quaisquer impasses que não estejam relacionados ao Oriente Médio.

Em seu comunicado mais recente, Ban Ki-moon reiterou que “qualquer escalada maior inevitavelmente aumentará o sofrimento da população civil afetada”. “Exorto firmemente as partes a cooperar com os esforços liderados pelo Egito pela obtenção de um cessar-fogo imediato”, afirmou.

Não é certo ainda se o Brasil participará com o Egito das negociações de um cessar-fogo. Segundo Garcia, a ligação de Mursi a Dilma não foi exatamente um convite, mas, antes, uma consulta sobre o posicionamento da diplomacia brasileira quanto à troca de agressões entre israelenses e palestinos na Faixa de Gaza.

Ao Globo, Garcia criticou severamente o que classifica como um “quarteto para o Oriente Médio”, isto é o grupo de membros permanentes do Conselho de Segurança que comumente monopolizam as disputas políticas em torno dos conflitos do Oriente Médio. O assessor especial não descarta uma resolução conjuntural para a tensão, mas destaca que o conflito inspira um “puxão de orelha” no grupo e medidas mais complexas de longo prazo.

“Para dar mais força” à sua mensagem, Garcia explica que o Brasil não emitiu sozinho nenhum comunicado condenando a violência e pedindo solução pacífica. Um documento apresentado ao Conselho de Segurança da ONU, segundo ele, foi adotado e assinado por todos os estados-membros do Mercosul.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook