Quinta-Feira, 10 de Outubro de 2013

Página Inicial>Mundo

Amorim conversa com Ahmadinejad após reunião do Conselho de Segurança da ONU

Antes da conversa, Amorim confirmou que ia apelar a Ahmadinejad pela libertação dos dois norte-americanos presos em Teerã sob suspeita de espionagem

Publicada: 23/09/2010 - 08h47m|Fonte: Renata Giraldi - Agência Brasil|Versão para impressão|

Pouco depois de o Conselho de Segurança das Nações Unidas divulgar ontem (22) comunicado em defesa da busca do fim da controvérsia em torno do programa nuclear iraniano, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, conversou por cerca de uma hora com o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad. O encontro ocorreu no intervalo das reuniões da 65ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York.

Antes da conversa, Amorim confirmou que ia apelar a Ahmadinejad pela libertação dos dois norte-americanos presos em Teerã sob suspeita de espionagem, assim como fez com a jovem Sarah Shourd, de 31 anos. Porém, após o encontro, o chanceler evitou detalhar a reunião. Ele afirmou apenas que o iraniano elogiou a “sinceridade brasileira” e que “as coisas estão avançando”.

“Nós conversamos muito”, disse Amorim. “As coisas estão avançando”, completou. “Temos muito em comum.”

Na semana passada, depois de um ano e quatro meses presa em Teerã, Shourd foi libertada ao pagar fiança no valor de US$ 500 mil. A norte-americana, o noivo dela, Shane Bauer, e o amigo do casal Josh Fattal, ambos com 29 anos, foram presos por iranianos enquanto escalavam as montanhas localizadas na fronteira entre o Irã e o Iraque.

As autoridades iranianas os acusaram de espionagem a serviço dos Estados Unidos. Mas os norte-americanos negaram a acusação. Anteontem (21), Amorim se reuniu com Shourd, que agradeceu a ajuda brasileira e apelou que a mesma fosse dada em relação a Bauer e Fattal.

Os governos do Irã e Brasil mantêm relações políticas e diplomáticas intensas. Para o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os iranianos têm direito de desenvolver o programa nuclear desde que para fins pacíficos. Porém, a comunidade internacional desconfia que ocorra uma produção secreta de armas atômicas no Irã.

Desde junho, o Irã está submetido a rigorosas sanções econômicas impostas pelo Conselho de Segurança da ONU. As restrições atingem principalmente as áreas comercial e militar do país. A conversa ontem de Amorim e Ahmadinejad, no final da tarde, ocorreu horas depois de o grupo P5+1, integrado pelo membros permanentes do Conselho de Segurança (Estados Unidos, Inglaterra, França, Rússia e China) e pela Alemanha discutir a questão nuclear iraniana.

Em declaração conjunta, o grupo defendeu a retomada das negociações com o Irã. Mas não houve sinalizações para a suspensão das sanções ao país. Para o Conselho de Segurança, é fundamental o Irã provar que o programa nuclear desenvolvido no país não tem fins militares. O governo Ahmadinejad nega as suspeitas.

Comentários dos leitores

Confira abaixo os comentários realizados pelos nossos leitores.

 
Siha nos no Twitter

Recomendações Facebook